segunda-feira, 1 de maio de 2017

Passageiros

Passageiros





Sinopse: Dois passageiros acordam 90 anos antes do tempo programado durante uma viagem de rotina no espaço devido a um mau funcionamento de suas cabines. Sozinhos, Jim e Aurora começam a estreitar o seu relacionamento. Entretanto, a paz é ameaçada quando eles descobrem que a nave está correndo um sério risco e que eles são os únicos capazes de salvar os mais de cinco mil colegas em sono profundo.


Trailer:



Em um futuro distante, viagens interplanetárias não serão mais um sonho e naves imensas levarão seres humanos para novas colônias. Em uma dessas naves, acontece um problema no trajeto e como consequência, uma das câmaras de hibernação se abre, acordando do sono o passageiro Jim (Chris Pratt), que fica empolgado, mas à medida que vai investigando descobre que da viagem de 120 anos, ele dormiu apenas 30. Ele procura de todo jeito um meio de consertar o que aconteceu em sua câmara de hibernação, no entanto, para seu desespero nada consegue. Tente imaginar você sozinho, em uma nave imensa, mesmo com toda a tecnologia e tudo à sua disposição, sozinho. E tendo apenas um barman robô (Michael Sheen) para conversar.



É quando Jim toma uma decisão.  Ao se apaixonar por uma escritora que dorme, Aurora (Jennifer Lawrence), sem saber o que está acontecendo, resolve acordá-la, afirmando a ela depois que foi um problema da nave que acordou aos dois.

A partir daí começam a se conhecer melhor e se relacionar, afinal, sozinhos no espaço, não há muito o que fazer. Tudo começa a mudar quando os problemas iniciais se tornam maiores, a ponto de colocar a viagem em risco, inclusive acordando um dos tripulantes, interpretado por Laurence Fishburne.




Não há mais volta e o futuro está comprometido. Ambos precisam consertar o problema da nave, antes que aconteça o pior e ninguém consiga sobreviver. As vidas de todos os demais passageiros dependem de Jim e Aurora.

Bom, quem me acompanha e me conhece sabe que gosto muito de filmes com a temática Ficção Científica. Então quando surge um filme novo eu assisto.


E foi um assunto bem interessante esse, dois passageiros acordados, em uma nave gigante, e com problemas bem humanos para resolver, principalmente sabendo que todos dependem das ações de ambos. O filme trabalha muito com as decisões morais, que trazem consequências, como por exemplo, escolher acordar uma outra passageira sem o consentimento dela e assim podar a vida que ela teria no futuro.

Isso é bem trabalhado pelo diretor e as interpretações dos atores não compromete.

Espero que gostem, tanto quanto eu.


Antonio Henrique Fernandes
Capitão deste Navio Errante.



Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigado por nos enviar uma mensagem!